Logged In As Admin: {{reverbUser.name}} ({{reverbUser.id_unique()}}), Acting As: {{reverbPageObject.data.name}} ({{reverbPageObject.id_unique}})
 
x
You are using an outdated browser. Please upgrade your browser to improve your ReverbNation experience. 

Maieuttica / Press

“Na sequência, o Maieuttica chegou pra quebrar tudo. Já conhecia de nome, mas nunca tinha escutado o som. Metal de qualidade, do Rio de Janeiro para o palco Sampa. Com faixas do disco de estreia, Por Árduos Caminhos Até As Estrelas, lançado este ano, a banda fez um show de muito peso. “Nosce te Ipsum” e “Desumanidade” abriram a apresentação e logo uma roda se abriu. Vibe alucinante com direito a vocalista dando boa noite pra galera em plena 15h. “Carpe Diem” contou com muitos pulos dos fãs e “Por Um Segundo” gerou um grande bate cabeça. Para “Maieuttica”, o grupo ainda contou com a participação de Caio MacBeserra, vocalista do Project46, e a pista ainda não estava cheia, mas ficou caótica, para desespero dos seguranças que não entendiam muito bem o que estava acontecendo. “A Grande Caverna” foi a responsável pelo encerramento. Grande show!”

"Conheça A Ti Mesmo", o mais recente trabalho dos cariocas da Maieuttica, lançado no mês de Maio deste ano, tem sido alvo de reconhecimento e elogios nos sites e redes sociais, levando a banda a conquistar o primeiro lugar em pesquisa realizada pelo Dias de Fúria, site nacional que contava com mais de 20 bandas de relevância no cenário brasileiro. "Desumanidade", uma das músicas que integra o novo trabalho da Maieuttica teve um trecho liberado recentemente pela banda e está disponível para áudio no youtube.

“Sonoramente falando, a banda tem peso, brutalidade, técnica, melodia e feeling bem equilibrados, e cada uma das canções da banda tem estruturas harmônicas muito boas, com um perfeccionismo na composição bastante profissional, sabendo usar bem as vocalizações limpas e guturais com maestria, bons riffs e solos que se são bem tocados por um lado, por outro não cansam os ouvidos, e cozinha rítmica que esbanja peso e técnica, mas sem ser algo que beira o etéreo. E para os que vivem reclamando que não compreendem as mensagens de letras em inglês, um aperitivo a mais: as letras da banda são em português, e tem muito a dizer.”

“A Grande Caverna’ (sim as letras da banda privilegiam nossa língua pátria e que abordam questões existencialistas do ser humano, um prato cheio para quem gosta de cultura), cuja passagem não é nem um pouco enjoativa, sendo ela muito bem equilibrada entre peso, melodias, momentos mais rápidos”