x

You are using an outdated browser. Please upgrade your browser to improve your ReverbNation experience.

Konad / Press

“KONAD + Miss Cadaver - "Mákinas e Cadaveres" Apesar de ambas as bandas já terem editado algumas coisas, há aqui muitas novidades. Em primeiro lugar, falar do “Lado Mákinas” dos Konad, que na verdade são 5 temas tirados do álbum de estreia da banda “Café Beirute”, lançado há bastante pouco tempo, 5 malhas de Hardcore/Punk/Thrash/Rock ‘n’ Roll, agressivo mas também muito melódico. É aquele Punk sujo e violento com melodias poderosas que prendem qualquer um a ouvir isto sem parar. A nível lírico é bastante mais complexo que Miss Cadaver, a nível musical é bastante diferente, se Miss Cadaver é Thrash Metal com atitude Punk, Konad é Punk/Hardcore com embebido nalgum Thrash. Todos os temas são bons, desde aquele riff inicial de “Mákina De Guerra” até à poderosa “Filhos Do Ódio”, passando por outras grandes malhas como “Mentekabra” ou “Porcos Malabaristas” com letras espectaculares que de forma bastante irónica descrevem aquilo que se pa”

“4/5 (...) crossover de punk, hardcore, thrash e crust (...)com 16 temas rápidos, directos e cantados em português. O momento mais diferente – e que pontua o disco com variedade – é o tema-título, que apresenta influências étnicas orientais que mostram que os Konad são mais do que apenas um one trick pony e que confirma a ideia de que o trio tem mais do que apenas uma plataforma ideológica em comum com o metal industrial e politicamente consciente dos Ministry, por exemplo. O resto é a habitual castanhada punk/hardcore/thrash/crust, tocada em temas curtos e incisivos, com letras inteligentes pontuadas por um sarcasmo delicioso e que obedecem às regras do estilo. É bem feito, entusiasmante, mas segue as regras estilísticas pela cartilha e raramente se afasta do espectro que a banda escolheu para a sua música. Ainda assim, como dignos representantes deste tipo de crossover da zona centro, os Konad dificilmente poderiam aspirar a uma estreia mais contundente, convincente”